Banner

A Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador (ASSERT), que realiza desde 2003  a pesquisa “Preço Médio da Refeição”, acaba de divulgar números do levantamento relativo a 2016, conduzido pelo Instituto DataFolha no mês de novembro passado.

Segundo Paula Cavagnari, diretora-presidente da ASSERT, a pesquisa é mais um serviço que a associação presta à sociedade e ao governo, pois além de apresentar o cenário dos preços das refeições fora do lar, o levantamento tem por objetivo verificar a percepção dos proprietários dos estabelecimentos comerciais em relação ao aumento da demanda por uma alimentação saudável.

“De acordo com o estudo, aproximadamente cincos em cada dez responsáveis pelos estabelecimentos acreditam que os clientes estão mais preocupados com uma alimentação saudável, ou seja, com uma dieta equilibrada, com o consumo de verduras, legumes, grãos, proteínas, frutas e sucos naturais”, comenta Paula.

Para a realização da pesquisa divulgada pela ASSERT nesta última quinta-feira (09/03), o Instituto Datafolha visitou entre os dias  11 a 28 de novembro de 2016,  4.574 estabelecimentos comerciais brasileiros  que oferecem refeição no prato e em mesa, de segunda a sexta-feira, e aceitam voucher-refeição.

Um total de 51 cidades brasileiras, espalhadas pelas cinco regiões geográficas do País, foram alvo da pesquisa,  sendo 23 capitais. O levantamento captou 5.545 preços*, aos quais foi aplicada uma média ponderada considerando os pesos na amostra do município e de cada sistema de refeição: comercial, autosserviço, executivo e à la carte.

(*) Quantidade de preços por Região:

SUDESTE3.740
SUL660
NORDESTE688
CENTRO-OESTE281
NORTE176
TOTAL BRASIL5.545

A média Nacional do preço da refeição, segundo dados divulgados na  pesquisa foi de R$ 32,94.

Confira a seguir a média por região pesquisada:

No Sudeste, que representou 66,51% do levantamento, com 27 cidades pesquisadas, o preço médio da refeição completa (prato principal, bebida não alcoólica, sobremesa e café) subiu 7,5% em 2016, passando a custar para o trabalhador R$ 33,25.

Na região SUL, nos 660 estabelecimentos pesquisados, o preço médio da refeição foi de R$34,34.

A média no Nordeste, onde 688 estabelecimentos participaram da pesquisa, foi de R$ 31,82.

No Centro Oeste, 281 estabelecimentos pesquisados , apresentaram média de preço médio da refeição de R$ 30,44.

E, finalmente, o Nordeste, com 176 estabelecimentos pesquisados e R$ 29,31, como preço médio da refeição.

Abaixo, apresentamos abaixo o preço médio nas regiões nos últimos três anos:

Região              201620152014
SulR$ 34,34R$ 31,74R$ 25,70
SudesteR$ 33,25R$ 30,93R$ 27,76
NordesteR$ 31,82R$ 29,18R$ 26,98
Centro-OesteR$ 30,44R$ 26,73R$ 26,09
NorteR$ 29,31R$ 28,48R$ 26,10
BrasilR$ 32,94R$ 30,48R$ 27,36

 

Impacto positivo do voucher-refeição

Com base no preço médio de R$ 33,25 no Sudeste, um trabalhador, que na data da realização da pesquisa (novembro de 2016) recebia apenas um salário mínimo nacional (R$ 880) e não tinha o benefício do voucher-refeição, desembolsaria cerca de 83% de seu salário para se alimentar fora de casa durante sua jornada de trabalho, considerando 22 dias úteis, de segunda a sexta-feira.

Diante desse cenário, a ASSERT destaca que o sistema de voucher-refeição tem um impacto positivo real na vida dos brasileiros e até mesmo na economia. O benefício é viabilizado no País por meio do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), do Ministério do Trabalho, que busca a complementação alimentar do trabalhador com o compartilhamento de responsabilidades entre o Governo e empresas.

O Programa,  instituído pelo Governo Federal, em 1976, é o mais duradouro programa socioeconômico do Brasil e um dos mais bem-sucedidos do mundo.  Considerado referência mundial pela Organização Internacional do Trabalho, beneficia mais de 20 milhões de trabalhadores, sendo que 85% destes ganham até cinco salários mínimos, o que representa um incremento real no rendimento mensal da força de trabalho.

Participam do PAT cerca de 250 mil empresas em todo o Brasil, que oferecem, por meio das operadoras de vouchers, o benefício refeição – utilizado em restaurantes e similares – e o benefício alimentação – aquisição de gêneros alimentícios “in natura” em supermercados e similares.

ANEXO I

Estado de São Paulo – Região Metropolitana

CidadePreço
Santo AndréR$ 35,01
São PauloR$ 33,82
São Caetano do SulR$ 31,73
BarueriR$ 30,94
OsascoR$ 29,67
São Bernardo do CampoR$ 29,26
GuarulhosR$ 28,67
Taboão da SerraR$ 28, 16
DiademaR$ 27,23

 

Estado de São Paulo – Litoral e Interior 

CidadePreço
CampinasR$ 36,00
SantosR$ 35,16
JundiaíR$ 31,57
Ribeirão PretoR$ 31,49
SorocabaR$ 29,84
São José dos CamposR$ 27,25

 

Estado do Rio de Janeiro

CidadePreço
Rio de JaneiroR$ 36,94
MacaéR$ 36,42
NiteróiR$ 35,24
Nova IguaçuR$ 34,23
São GonçaloR$ 32,76
Duque de CaxiasR$ 32,28
NilópolisR$ 29,54

 

Estado Minas Gerais

CidadePreço
Belo HorizonteR$ 29,35
UberlândiaR$ 24,65

 

Estado Espírito Santo

CidadePreço
Vila VelhaR$ 37,49
SerraR$ 29,06
VitóriaR$ 28,72

 

Fonte:  ASSERT – Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador, entidade com 35 anos de atuação no mercado de voucher alimentação e refeição e 17 associadas, representa cerca de 90% do mercado de vouchers refeição e alimentação, que atende mais de 11 milhões de trabalhadores em mais de 5 mil municípios brasileiros.

 

 

E

Share.

Leave A Reply