Banner

10 dicas para desenvolver inteligência emocional

0

Segundo um estudo da universidade norte-americana de Columbia, para cada dólar investido no desenvolvimento da inteligência socioemocional de uma criança, 11 dólares são devolvidos à sociedade. Aprender o autoconhecimento, autoconfiança e bom relacionamento com o ambiente faz a criança se tornar uma pessoa melhor e com menos tendência a sofrer de ansiedade e depressão.

Para a Coach especializada pela internacional LeaderArt, Leila Arruda, uma pessoa que possui inteligência emocional é capaz de identificar as próprias emoções com mais facilidade, e, em alguns casos, começa a controla-la. Leila afirma que, quem tem essa habilidade, costuma possuir autoconhecimento, controle emocional, automotivação, empatia e habilidades sociais.

“A inteligência emocional é caraterizada também pelo respeito às outras pessoas, pela solidariedade e a valorização dos talentos alheios”, explica a especialista.

De acordo com os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), existem 23 milhões de pessoas sofrendo com transtornos mentais que necessitam de algum atendimento em saúde, isso corresponde a cerca de 12% da população brasileira. Apenas uma das mais comuns, a depressão, já representa 5,8% dos brasileiros, o maior índice da América Latina.

“Quando você tem inteligência emocional, você consegue identificar quando está ficando triste, e isso ajuda a se motivar, buscar alegria interna, fazer coisas que te deixam feliz, e fica mais fácil manter a satisfação emocional em alta.”

Mesmo conhecendo a si próprio e tendo ciência de como funciona a inteligência emocional, nem sempre é possível controlar o que sentimos. Por isso, estudar e praticar nunca é de mais. “Não adianta ter conhecimento de inteligência emocional, se não colocar em prática”

A inteligência emocional também ajuda no ambiente de trabalho, pois torna “um profissional que consegue se concentrar no trabalho e finalizar todas as suas tarefas e obrigações, mesmo se sentido triste, ansiosa ou aborrecida”, conta Leila. “Um empresário com autoconhecimento possui mais chances de possuir uma carreira promissora.”

Por isso, Leila separou dez dicas para alcançar uma boa inteligência emocional:

1- Tenha consciência de suas emoções : É importante que você reconheça quando uma emoção aparecer e o porquê ela surgiu. O objetivo de entendê-la e superá-la. Perceba como elas ocorrem dentro e fora de você, qual a “mensagem” ela te traz e busque uma maneira de satisfazê-la sem causar prejuízos futuros, a você ou ao próximo.

2- Assuma sua Responsabilidade: Encontrar culpados virou um hábito do ser humano. Se está sofrendo é porque alguém está te fazendo sofrer. Se algo não deu certo, alguém conspirou contra você. Assuma a responsabilidade por tudo o que acontece na sua vida.

3- Observe e analise seu próprio comportamento: Esteja atento para sua própria reação frente às situações que vivencia. Analise a sua atitude e procure entender como ela impactou o seu dia e suas relações.

4-  Domine as suas emoções: A impulsividade não é uma boa aliada para a maioria das situações. Então, procure dominar seus impulsos e emoções antes de tomar decisões ou dizer alguma coisa.

5- Aprenda a lidar com as emoções negativas: Não temos apenas bons momentos e bons sentimentos, e quando as emoções negativas (raiva, medo, insegurança, tristeza) acontecem, é preciso dominá-las e não permitir que nos controlem.

6- Aumente sua autoconfiança: Acredite em seu potencial e em suas habilidades. Acredite que você pode vencer obstáculos e que tem capacidade para superar as dificuldades e os momentos de crise.

7- Aprenda a lidar com a pressão: As cobranças surgem de todos os lados e constantemente, por isso, precisamos desenvolver a inteligência emocional e aprender a lidar com a pressão do dia a dia para não deixar que a emoção tome o controle.

8- Não tenha medo de se expressar: Não deixar a emoção te dominar não é o mesmo que não demonstrá-la. Você deve expor o que sente e expressar sua opinião, porém, deve colocar seu pensamento de maneira racional e equilibrada.

9- Desenvolva o sentimento de empatia: Nada melhor para compreender o outro do que colocar-se na pele dele. Sempre procure colocar-se no lugar do outro vivendo uma situação para conseguir entender suas atitudes. Inverter os papéis pode ajudar a ser mais tolerante e compreensivo.

10- Exercite o respeito pelo próximo: Todos nós temos necessidades, limitações, direitos e deveres, por isso, é preciso reconhecer que temos falhas e qualidades para conseguirmos respeitar as falhas e reconhecer as qualidades dos outros.

Essa matéria foi interessante para você? Compartilhe com seus amigos!

Share.

Leave A Reply